Convento de Santa Teresa

Ladeira de  Santa Teresa, 52
Rio de Janeiro – RJ, 20241-140
21 2224-1040

O convento é produto da dedicação da Madre Jacinta de São José (Jacinta Rodrigues Aires) e de sua irmã, Francisca, que conseguiram autorização do governador Gomes Freire de Andrade, Conde de Bobadela, para a construção de um convento de Carmelitas Descalças dedicado a Santa Tereza d’Ávila. O governador deu-lhes um grande terreno e uma antiga capela construída em 1620 no Morro do Desterro (depois chamado Morro de Santa Tereza). Numa cidade onde havia poucas mulheres brancas, o Convento de Santa Tereza seria o primeiro convento feminino.

As irmãs Francisca e Jacinta compraram a Chácara da Bica na Rua Matacavalos(hoje, a Rua do Riachuelo) e, lá, instalaram um retiro e a Capela do Menino Deus. Foram auxiliadas pelo governador Gomes Freire de Andrade, Conde de Bobadela e pelo bispo Dom Antônio do Desterro, na construção de um convento cuja pedra fundamental foi lançada em 1750, na Ermida do Desterro.

No ano seguinte, as irmãs e outras religiosas se transferiram para o convento, sob a Regra Monástica de Santa Tereza. Porém essa regra só veio a ser canonicamente professada pelas irmãs em 1781. A ordem é contemplática e ascética e suas religiosas vivem isoladas do mundo exterior, ou seja, enclausuradas. Tais princípios definiram o espaço arquitetônico do convento e da igreja, que preservam o isolamento das irmãs, inclusive nas missas, das quais elas participam atrás de grades.

Os jardins do pátio onde estão a igreja e o convento possuem muitas roseiras que fazem lembrar as palavras de Santa Tereza do Menino Jesus, santa carmelita do século XIX.

As obras começaram em 1750, no lugar da capelinha e, em 1757, as primeiras freiras já o habitavam, ainda que as obras prosseguissem por muito tempo ainda. A fachada possui uma torre sineira entre a igreja e as habitações conventuais. O sóbrio projeto da igreja e convento deveu-se ao engenheiro-militar José Fernandes Pinto Alpoim, que, antes (1740-1750), havia construído ali perto o Aqueduto da Carioca. A proximidade com o aqueduto permitiu um suprimento regular de água fresca ao convento.

Em finais do século XVIII, se colocaram, na portaria do convento, uma série de belos azulejos brancos-azuis provenientes de Portugal, de autor desconhecido, além de três bons altares de talha em estilo rococó, também de autoria ignorada. No convento, há um retrato da fundadora, Madre Jacinta, datado de 1769, de autoria do pintor colonial carioca José de Oliveira Rosa. No século XX, houve algumas obras que removeram certos elementos do interior mas que não chegaram a descaracterizá-lo.

No convento, estão enterrados Gomes Freire de Andrade, impulsor do projeto e Alpoim, o arquiteto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s